A ABPF


logo

Patrick1
Patrick Dollinger

A Associação Brasileira de Preservação Ferroviária – ABPF foi fundada em 1977 pelo francês Patrick Henri Ferdinand Dollinger, e reúne interessados na preservação, resgate, restauro e divulgação da história da ferrovia brasileira.

Patrick era apaixonado por locomotivas a vapor e ferrovias e preocupado com o abandono da história ferroviária brasileira, resolveu criar uma entidade de preservação, nos moldes das existentes na Europa e Estados Unidos.

Para contatar pessoas interessadas em realizar este sonho, publicou em fevereiro de 1977 um pequeno anúncio no jornal “O Estado de São Paulo”

Anuncio Jornal

“LOCOMOTIVAS A VAPOR: Com a finalidade de iniciar uma associação, tendo como interesse principal a preservação, restauração e operação de locomotivas a vapor e assuntos ferroviários em geral, procuro pessoas interessadas neste hobby muito popular na Europa e nos Estados Unidos. Escrever para Patrick Dollinger CP 2778, CEP 01000, São Paulo, ou telefone 32-0579 noite 853-4728”.

Apenas duas pessoas responderam ao anúncio, Sérgio José Romano e Juarez Spaletta. Os três passaram, então, a fazer contatos com pessoas de mesmo ideal, de forma que em 4 de setembro de 1977 foi possível realizar a assembléia de fundação da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária. Nesta assembléia, com apenas 14 pessoas foi fundada a ABPF.

A primeira ação da ABPF foi instituir uma campanha nacional para impedir o sucateamento de locomotivas a vapor. Com isto, a entidade conseguiu o apoio da Rede Ferroviária Federal S. A, que de uma só vez cedeu a ABPF 13 locomotivas a vapor desativadas.

A segunda grande ação foi conseguir um ramal desativado para colocar este material. Depois de um levantamento de trechos desativados no Estado de São Paulo, Patrick optou pela antiga linha tronco da Cia. Mogiana, entre Anhumas (Campinas) e Jaguariúna recém desativado.

E em 1979 a FEPASA – Ferrovias Paulistas S.A, também ofereceu apoio, e cedeu em comodato, este trecho de 24 km. Ali então iniciou-se o trabalho árduo de recuperação da via, recuperação de locomotivas, carros de passageiros, vagões e estações, trabalho que existe até hoje. Até que em setembro de 1984 foi definitivamente criado o Museu Ferroviário, chamado de Viação Férrea Campinas-Jaguariúna – VFCJ.

Infelizmente, Patrick Dollinger não viu o seu sonho ser realizado por completo. Falecendo no dia 17 de julho de 1986.

Hoje a ABPF é uma grande Associação (OSCIP), com aproximadamente 4000 sócios, com regionais e núcleos espalhados por todo pais, restaurando e operando trens turísticos em vários estados.

Quer saber mais, acesso o site www.abpf.com.br e conheça melhor nosso trabalho e todos os nossos outros trens turísticos.

Acompanhe também nosso grupo de discussão pelo Facebook.

facebook

18 thoughts on “A ABPF”

  1. Ola!
    Ha alguns anos atras, havia um trajeto de trem de campinas até Brasilia, que passava pela cidade de Ribeirão Preto.
    Este trajeto ainda existe?

    1. Boa noite Joana, obrigado pelo contato, a linha ainda existe, mas o trem foi suprimido a quase 30 anos. Obrigado.

  2. boa noite, como faço para adquirir uma locomotiva e um vagão para eu restaura ou ser vocês saibam onde poço encontra,ser poder me passar um contato para que eu poço entra em contato eu agradeço, estou com um projeto para uma cidade…

    1. Boa noite Helio, obrigado pelo contato, não vendemos equipamentos do nosso acervo, mas se você pesquisar na Internet, vai encontrar locomotivas de particulares a venda. Obrigado.

  3. Existe algum projeto para aquisição e restauração da litorina elétrica da EFSJ? Tem aproximadamente 7 carros relegados ao abandono no que sobrou do pátio e oficina da RFFSA entre as estações Moóca e Ipiranga. Sei que é extremamente trabalhoso e tem custos elevados,pois teria muito o que ser restaurado,mas,seria maravilhoso ter a oportunidade de fazer uma viagem nesse “clássico ferroviário paulistano” novamente.

    1. Boa tarde Marcio, obrigado pelo contato, não temos nenhum projeto e nem recursos para tentar recuperar estes veículos, eles pertencem a CPTM e a CPTM não permite a operação de terceiros em suas linhas. Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *